quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

A procura

Andamos a pensar mudar de casa. Já há algum tempo que esta ideia não me sai da cabeça e ainda não sei bem se devemos ou não. Adoro a minha casa e foi tudo o que sempre pedi desde que me conheço. Temos terraços, não temos vizinhos ao lado e em cima (são emigrantes) portanto é muito silencioso. O condomínio tem um jardim enorme, piscina e existe uma quinta aqui ao lado onde gosto muito de ir caminhar e respirar ar puro. 

 
Existe alguns contras. Só tem dois quartos, pouca arrumação e os vizinhos costumam mandar lixo para o nosso terraço (inclusive pontas de cigarro...). Sempre pensei que era suficiente para nós, afinal eu vivi numa casa tão pequenina tantos anos e cabíamos lá todos! Mas a verdade é que os tempos são diferentes... os miúdos têm mais roupa, mais brinquedos... mais tudo. Eu tinha um par de bonecas e uma dúzia de roupas. 
Ando sempre a destralhar porque detesto confusão e tralha desnecessária. Gosto muito de organização e quando vejo que alguma coisa é inutilizada há algum tempo dou a alguém que precise. Por isso sonho com um quarto para cada um, com espaço para guardarem os brinquedos e roupas, que fosse um refúgio. Mas é difícil arranjar casa hoje em dia... pelo menos por aqui. Os valores são abismais. Em poucos anos esta freguesia valorizou imenso  que um apartamento velho custa tanto como uma moradia noutro sítio qualquer no interior. Uma loucura... por isso tenho medo de arriscar, afinal este é o nosso pequeno paraíso. Vou sonhando com uma casa restaurada com janelões, soalho que estala quando bate o sol e pátio lá fora.

*suspiro*


4 comentários:

  1. Para melhor muda-se sempre...
    Eu gostava de trocar o apartamento por uma casa com quintal...
    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  2. "Quem muda, Deus ajuda"!
    Já diz o velho ditado, por isso há que pôr mãos à obra e toca a procurar o sítio ideal, acredito que tal como dizes, os tempos são outros e queres proporcionar mais conforto aos teus filhos e a ti mesma.

    ResponderEliminar
  3. Adoro este tipo de reflexões! São reais, é sobre a vida.

    ResponderEliminar