sábado, 24 de setembro de 2016

Mãe Marinheira

"Dedico este texto a todas as mães que passam muito tempo fora, que fazem das "tripas coração" para dar o melhor que podem aos seus filhos, mesmo que isso implique a perda dos melhores momentos da vida deles. Sou mãe de gémeos, dois rapazes neste momento com 4 anos e contando meses, dias, horas, passei junto deles 2 e meio. 

Militar da Marinha Portuguesa, 9 anos de casa sou obrigada a passar imenso tempo fora visto estar embarcada e participar em missões no país/estrangeiro, sou uma mãe de luta mas tenho tantas por derrotar dentro de mim...

Vamos então voltar ao passado. Descobri que estava grávida no dia 19 de Dezembro de 2011. Passava horas a dormir no serviço. Algumas vez viram um zombie?? Era eu sem dúvida, o meu corpo pedia duas coisas: Coca-cola e uma cama! Decidi fazer um teste, vamos lá então dizia eu toda feliz e contente a pensar que iria dar negativo, qual o meu espanto quando olho para o teste colocado em cima do tampo da sanita e vejo 3semanas. Estão a ver a cara do menino do sozinho em casa aos gritos???! Era eu!!!! Que seria da minha vida? Não era efectiva. Meu Deus que vou fazer?? Apenas uma coisa... olhar-me ao espelho, cara cheia de lágrimas a escorrer e dizer 3 vezes: VAIS CONSEGUIR TU ÉS FORTE. Pode parecer clichê, mas a partir desse momento é o meu lema de vida. 

Dez semanas, nova novidade, "há quem goste há quem não goste" - diz o médico... São gémeos menina!!! Doutor está a brincar comigo não está? (a minha mão agarrava-lhe a bata, juro que lhe apertava o pipo quase)! Lágrimas voltaram a escorrer desta vez a pensar: se mal tenho para um, quanto mais para dois.

A vida continua meninas, tive uma gravidez santa apesar de parecer um ovo Kinder daqueles da Páscoa, bem gigantes e redondos que só a grua tirava da cama. Uma marmita que podia guardar comida de meses, um restaurante ambulante, uma bola de pilates que rolava por ela mesma. Tantos nomes que me podia apelidar mas estava grávida gravidona e adorava. Mostrava a todos o meu dossier enorme que tinha já colado bem na capa GÉMEOS! Poderia continuar a minha aventura da gravidez, mas dia 3 de Agosto às 6h09 e 6h14 nasceram os meus Reis com 3kg cada de parto normal. O nosso amor e força duplica quando aparecem os seres mais pequenos, feios e enrugados na nossa vida. São PERFEITOS, são nossos. Como vos amo e farei de tudo para vos proteger. 

Eles crescem, a nossa vida evolui tanto para bom como para mau. Fiquei efectiva mas separei-me do pai deles (apesar de agora nos darmos relativamente bem), fizeram 1 ano eu embarquei novamente, ou seja a vida tanto nos dá como nos tira. Foi duro no início, perdi o começarem a andar, correr, dizer as primeiras palavras (que não é para me gabar mas foram MÃE, yessss!) Tudo o que tenho está em vídeo e fotografias que tenho guardados no telemóvel, em casa impressas, 4 cartoes de memória!!! Não me atrevo a perder essas memorias. 

Agora vejamos neste texto que escrevo nem tudo é tristeza e amor de borboletas, A VIDA É UMA TRETA UMA M***A MESMO!! Porque somos nós obrigadas a termos de nos separar de quem mais precisa de nós ? Chama-se força de vontade, vida profissional, amor próprio. Guerreiras para lutar por eles mas por nós igualmente. Se esse amor pela nossa pessoa não estiver presente vai ser mais difícil o dia a dia. Eu navego os meninos ficam com o pai ou avós, se me sabe mal sair sem eles? Lógico que sim, mas se tiro uns dias de descanso e trato de mim? Claramente. Essa balança vai equilibrando a nossa vida. Pode não ser a melhor porque passo imenso tempo fora mas quando chego aquele abraço aquele correr no cais é quando dá gosto ter estado longe. Reacções são de outra dimensão tudo à nossa volta deixa de existir, apenas 2 pequenos para eu a abraçar como se não houvesse amanhã . Como diz a música "MEU AMOR DE LONGE VOLTOU SÓ PARA ME VER"

Como podem ver sou mãe solteira, de gémeos, passo tempo fora porque também dou valor à minha vida profissional, e somos felizes e de saúde. Não percam a esperança, o importante é eles sentirem
que são amados, que lhes passam toda a vossa sabedoria e conhecimento. No futuro saberão que as mães fizeram tudo o que podia e havia por eles. Não se critiquem, não vão abaixo somos mulheres de luta, não deixem que a sociedade coloque um rótulo que nos intitule como quer, porque quando navego e saio para beber um copo não quer dizer que não o faça, serei má mãe ? Não! Sou mulher tenho necessidades, já o era antes de ser mãe; se não tiver bem na cabeça aquilo que sou, de consciência tranquila, irei ter medo de tudo, e todas as críticas irão afectar-me e deixar-me em baixo, algo que não quero. Serei forte por eles por mim. 

Quero cinemas quero festas quero concertos, quero o Panda os Breadwinners, quero cabeleireiro, arranjar unhas, quero ler histórias de embalar, limpar casas de banho que se tornaram piscinas, quero pintar paredes de branco para pintarem de cor por cima! Quero ser MULHER quero ser MÃE . Amo a minha pessoa. AMO mais os meus gémeos o meu MUNDO a minha razão de viver cada dia com intensidade. Um beijo e obrigado para todas as mães (minha inclusivé) que sabem o que é lutar, que sabem que a vida é agridoce. No final o que importa são os nossos bebés (serão sempre bebés) estejam com saúde e felizes. Beijo desta mãe que vos escreve no meio do oceano as 3 da manhã.
 
PS : Obrigado Vânia por este desabafo."

- Marta Mendonça 
  Militar da Marinha Portuguesa

4 comentários:

  1. Que história tão bonita.
    Um beijinho enorme para a Marta que é, sem dúvida uma grande mãe e uma grande mulher. E, mais do que a quantidade de tempo que passamos com os filhos, importa a qualidade desse tempo e fazer com que eles se sintam amados. :)

    ResponderEliminar
  2. Uma bela história.
    Um belo exemplo do que se faz pelos filhos, pela vida...

    ResponderEliminar
  3. É tudo isso Marta. Escreveste a tua história, a minha e de tantas outras mulheres!
    Está perfeito o texto, parei de respirar ao fim do 1o parágrafo...
    Exemplo de força és tu, tu sabes! <3

    ResponderEliminar